Polícia | 04/07/2019
CARLOS CABRAL: Mais três presos suspeitos de participação no homicídio
Armas apreendidas na ação policial
Durante toda a última sexta-feira (28) a Polícia Civil realizou buscas para cumprimento de mandados com objetivo de elucidar a morte do sindicalista Carlos Cabral, então presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Rio Maria, assassinado no dia 11 de junho último, quando trafegava na área urbana de Rio Maria. Ao término das buscas nesta sexta-feira foram presos: Ivan Pereira, Eduardo Mendonça, João Coelho da Silva e Gilcimar Gomes dos Santos, conhecido por ‘Simas’
Eduardo Mendonça foi preso na fazenda Belauto, zona rural de São Félix do Xingu; Gilcimar foi preso em Pau D’Arco e Ivan Pereira e João Coelho foram presos na zona rural de Rio Maria. Todos estão sendo investigados por fortes suspeitas de participação na morte do s
Objetos apreendidos
indicalista Carlos Cabral; a polícia não revelou as evidências que levaram a inclusão destes presos ao rol de suspeitas na participação na morte do sindicalista. “Não vamos revelar para não atrapalhar as investigações, mas o intuito dessas prisões é levantar elementos de prova para esclarecer esse homicídio”, afirmou o delegado Antônio Mororó Júnior, titular da Delegacia de Conflitos Agrários (DECA) em Redenção.
Durante a operação também foi cumprido mandado de busca na residência de Jovandre Melo, na zona rural de Rio Maria, onde foi apreendido apenas o celular do mesmo. Jovandre também está sendo investigado pela morte de Cabral. Nos endereços dos presos foram apreendidas ainda espingardas, escopetas, um revólver calibre
Gilcimar Gomes foi preso durante a operação
38, uma pistola calibre 380 e munições.

VERTICALIZAÇÃO: A operação batizada de ‘Pratos Limpos’, segundo o delegado Antônio Mororó, faz parte do que ele chamou de ‘verticalização das investigações’ para elucidar a morte do sindicalista e tinha como alvo o cumprimento do mandado de prisão preventiva da pessoa de Gilcimar Gomes dos Santos, apelidado de SIMAS, pelo estupro da enteada de Carlos Cabral no ano de 2016. À época do crime, a vítima contava com 11 anos de idade, e desde então Simas estava foragido. A operação também incluía o cumprimento de seis mandados de buscas o que acabou culminando com a prisão de mais três pessoas por porte ilegal de arma, mas ambas também suspeitas de envolvimento no homicídio em questão.
Lourivan Gomes / Redação
Deixe Aqui Seu Comentario

Nome :

Email :

Captcha

Comentario :

Aviso Importante: Os comentários publicados não refletem a opinião deste site. Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade dos seus autores. Não serão publicados comentários totalmente em letras maiúsculas (caixa alta). O site reserva-se o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional também serão excluídos.

sites / blogs